Há uns dois anos eu escrevi um artigo falando sobre o que não fazer para divulgar o seu negócio nas redes sociais. Eu listei algumas práticas que me incomodavam bastante e que certamente incomodavam meus clientes em potencial também.

De lá pra cá algumas coisas mudaram, claro, mas eu ainda continuo vendo muita gente dar tiro no pé na hora de se comunicar na internet. Juro, tenho vontade de mandar uma mensagem aconselhando a pessoa a mudar a estratégia ou simplesmente parar de fazer aquilo. 

Eu sei que a intenção é a melhor possível, mas vamos combinar que um marketing agressivo, insistente e mal feito pode geral o efeito inverso ao que queremos: afastar o cliente em vez de conquistar.

Pensando nisso, revolvi voltar a esse assunto e listar novamente algumas práticas ‘proibidas’ para deixar a sua comunicação mais sutil e eficiente.

Vamos lá!

FACEBOOK

1. PÁGINA PROFISSIONAL

É proibido não ter uma página profissional no Facebook. Não dá para entender quem ainda usa somente o perfil pesssoal para divulgar seus produtos ou serviços. 

Entenda, eu não estou dizendo para você dispensar seu perfil pessoal, muito menos deixar de compartilhar conteúdo profissional nele. Aliás, eu recomendo fortemente que você faça isso com frequência.

O que eu estou sugerindo, na verdade exigindo porque sou dessas, é que você crie uma página profissional na rede do senhor Zuckerberg. Ela te permite muito mais vantagens, tais como:

– programar posts, o que facilita absurdamente a administração de um calendário editorial eficiente

– criar Lives e transmissões ao vivo, grandes aliados para gerar engajamento com a sua audiência, usando ferramentas mais profissionais

– ter um número ilimitado de pessoas te seguindo (no perfil há um limite de solicitações de amizade)

– administrar um Gerenciador de Negócios com funcionalidades especiais para alcançar mais pessoas

– ter acesso a dados importantes dos seus seguidores e do alcance e engajamento de suas publicações, possibilitando estratégias essenciais para alavancar a sua comunicação digital

Acho que te convenci, né?

2. GRUPOS E COMUNIDADES

Com o excesso de perfis e páginas criadas nos últimos anos, aliada a algumas mudanças recentes no algorítmo do Facebook, é cada vez mais indispensável que você crie grupos e comunidades que reúnam pessoas com interesses em comum. São ferramentas poderosas que proporcionam alto angajamento, troca de experiências e divulgação de conteúdo específico, inclusive sobre o seu trabalho, produto ou serviço. Os grupos podem ser públicos, privados ou secretos, de acordo com o seu interesse e necessidade.

Agora vem a grande dica do que NÃO fazer: nunca adicione pessoas sem a autorização delas! E se a sua intenção é apenas promover o seu trabalho, sem oferecer conteúdos relevantes e a oportunidade de criar um espaço de debates, interações e trocas, a situação piora ainda mais. É uma tremenda falta de educação e uma atitude agressiva, que vai de encontro com as novas tendências do marketing moderno. Repare que hoje qualquer tipo de conteúdo precisa da autorização da pessoa para que ele seja disponbilizado, desde newsletters, propagandas em sites ou vídeos, até lista de transmissão no Whatsapp.

Convide as pessoas a participarem dos seus grupos e comunidades. Dê a elas motivos para entrarem e permanecerem. Faça com que se sintam parte de um grupo ou comunidade, contribuindo com os outros, compartilhando conhecimento. Incentive o engajamento, a interação e a troca de experiências. Todo mundo sai ganhando!

3. MESSENGER 

Tá, eu sei que os bots são a última tendência em marketing digital, mas tome muito cuidado para usar essa ferramenta e evite ao máximo abordar pessoas pelo Messenger com propagandas diretas do seu trabalho, produto ou serviço. Não tente vender logo de cara para pessoas que você nunca viu na vida. Elas podem se sentir invadidas. Volto a dizer, é preciso ter permissão. Depois é importante criar um relacionamento e, a depender da resposta, finalmente começar a oferecer qualquer coisa a um potencial cliente. E lembre-se: em toda e qualquer comunicação usada pelo Messenger é imprescindível que a pessoa possa optar por parar de receber conteúdo da sua página. Simples e direto, sem enrolação como quando queremos cancelar nossa TV a cabo por telefone (quem nunca?)!

4. COMENTÁRIOS EM POSTS ALHEIOS

Pode parecer óbvio, mas muita gente ainda insiste em divulgar o seu trabalho em posts alheios. Se eu pudesse, escrevia em um letreiro gigante, com luzes neon piscando: Não faça isso!

É grosseiro, desagradável e uma baita falta de noção. Você ia gostar que fizessem isso com uma postagem sua? Acho que não, né? Então, a recíproca é verdadeira!

5. MARCAR PESSOAS EM FOTOS SEM AUTORIZAÇÃO

Quem nunca se irritou ao ser marcada em uma foto sem autorização por pessoas que você nem conhece? Muitas vezes a postagem não tinha nada a ver com você e ficava na sua timeline. A sorte é que o Facebook criou uma regra em que você precisa autorizar para que a imagem apareça no seu feed. Mesmo assim ainda é chato ter que barrar posts alheios no seu perfil. Dá vontade de deletar a imagem só pra pessoa aprender a não fazer mais isso (pronto, falei!). Muito mais eficiente e educado você marcar quem você quer apenas nos comentários e, mesmo assim, com cautela. Não vai sair por aí marcando todo mundo! 

INSTAGRAM

O Instagram vem conquistando cada vez mais usuários e já é o queridinho de muita gente. Por isso mesmo vem atraindo várias estratégias de marketing e vendas. Minhas sugestões para o que NÃO fazer no Instagram são bem parecidas com as do Facebook, a começar pelo erro de não ter um perfil profissional. O bom é que você não precisa criar outra conta, você pode simplesmente mudar de perfil pessoal para profissional e aproveitar todas as vantagens da ferramenta (praticamente as mesmas do Facebook). 

Eu também recomendo a não fazer comentários do tipo ‘estou te seguindo, me segue de volta’ em posts alheios. Bem velha essa tática, né? Já comprovou que não funciona!

E se você usa algum aplicativo para automatizar mensagens por direct, avalie bem se essa estratégia vale a pena mesmo. Na boa? Quase ninguém lê aquilo e é muito chato ficar recebendo uma avalanche de efertas de cursos, sessões de coaching, ebooks… Pense em outros meios e deixe isso pra lá, ok? Conselho de amiga!

WHATSAPP

O Whatsapp é um lance que divide o meu coração, vou ser bem sincera com você. Ninguém pode negar que a possibilidade de conversar com as pessoas por texto e áudio e ainda conseguir mandar fotos e arquivos é uma excelente mão na roda. 

O que me incomoda (bastante) é o excesso de mensagens e de gente falando ao mesmo tempo e cobrando resposta imediata. E ai de você se visualizar a bodega da mensagem e não responder de volta. 

Mais desesperador ainda são os grupos e mais grupos que as pessoas insistem em criar e te incluir. É um tal de ‘bom dia’, ‘boa tarde’, ‘boa noite’ e um monte de vídeo tosco da internet. Não sei você, mas eu só fico em grupo que me interessa e que tenha uma razão razoável de existir. Caso contrário, eu saio mesmo! E lista de transmissão então? Acho uó quem adiciona o meu número em listas de transmissão sem a minha autorização. E ainda fica me mandando um monte de conteúdo que não tem nada a ver comigo. Peço pra me tirar na hora! 

Acho que você já entendeu o que NÃO fazer, né? Da mesma forma que eu te sugeri criar grupos e comunidades no Facebook e convidar as pessoas para participar, aqui eu digo o mesmo: peça permissão! Se elas aceitarem, aí você adiciona no grupo ou lista de transmissão que você está criando. A decisão de participar ou não deve SEMPRE ser de quem está sendo convidado e não de quem convida.

Aqui também vale a máxima de não se limitar ou exagerar na oferta dos seus produtos ou serviços. Compartilhe conteúdo de qualidade, que informe, que ajude, que impacte, que divirta, que inspire. Senão você corre o risco de ficar falando sozinha…

Captou todas as dicas do que não fazer na sua comunicação digital? Nota que eu quis mostrar para você que o markeging invasivo já perdeu a validade há tempos! Invista seu tempo e sua dedicação com pessoas que querem saber mais sobre a sua empresa, sobre o que você tem a oferecer. 

Organize sua produção e gerenciamento de conteúdo para essas pessoas, buscando sempre engajamento e relevância. Crie um calendário editorial estratégico, participe de grupos e comunidades de interesse do seu cliente em potencial e vá construindo sua audiência e sua autoridade no seu nicho. Você vai conquistar resultados mais positivos e consistentes sem causa prejuízo à imagem da sua marca. 

Dá sim para vender desde o início sem precisar ser agressivo ou invasivo. 😉